Skip to main content

Esta segunda-feira amanheceu ainda mais cinza depois de um acidente ocasionado por fumaça na rodovia BR-277, no trecho de ligação entre Curitiba e o litoral, que envolveu 20 veículos e vitimou fatalmente, pelo menos, 8 pessoas.

Neblina e fumaça na rodovia: omissão da concessionária

Como pano de fundo uma combinação mortal de neblina e fumaça na rodovia decorrente de um forte incêndio ocorrido na região.

Alguns colegas que passavam de bike pela região me disseram que às 16h já havia fumaça e um pequeno acidente, sendo atendido pela concessionária.

A situação se agravou e resultou num dos acidentes mais violento ocorrido nas rodovias do Paraná. 

Em um grupo de WhatsApp, li um comentário de um colega de que “o pedágio da 277 é caro e deveria ter cuidado disso antes”.

Ele tem total razão.

Segurança, acima de tudo

A neblina é condição climática e exige prudência do motorista. Porém, a presença da fumaça demandaria uma postura ativa da concessionária para que acidentes fossem evitados, executando a “operação comboio” ou se necessário interditando o trânsito.

Mas até onde se tem notícia, a interdição ocorreu somente após a tragédia.

Desse modo, a concessionária não cumpriu seu dever fundamental que é o de zelar pela segurança do usuário, acima de tudo.

Fumaça na rodovia: responsabilidade objetiva da concessionária de pedágio

A fumaça na rodovia não é um fato extraordinário. É uma situação comum nesta estrada. Esta notícia do mesmo trecho da BR-277 por exemplo é do ano passado, coincidentemente no mesmo mês, agosto, e relatava a mesma situação: muita fumaça indo para a rodovia. 

Assim, ocorreu um um fortuito interno. Ou seja, uma situação que é previsível em função da atividade desenvolvida pela concessionária, que é responsável pela administração e manutenção da rodovia.   

Desse modo, se aplica a teoria da responsabilidade objetiva com base no risco da atividade e a concessionária deve responder por todos os prejuízos morais e materiais que as vítimas sofreram. 

Aliás, há um ano atrás, a Justiça, em situação muito semelhante (engavetamento, com falta de sinalização em pista pedagiada com fumaça), condenou a concessionária Rodovias das Colinas S/A a arcar com os danos ocorridos (Apelação 1001257-39.2015.8.26.0286, SP). 

É impossível reparar toda dor e sofrimento que os familiares das vítimas estão experimentando neste momento. Isso não se dissipa como a fumaça.

Para me despedir, quero registrar meus sentimentos às vítimas e suas famílias.

Justiça seja feita!

Conte con a gente para defender seus direitos

Engel Advogados
Isenção de Imposto de Renda por Doença Grave

Como pedir isenção de Imposto de Renda por cardiopatia grave?

Você sabia que todo aposentado, pensionista e militares em reserva ou reforma que foram acometidas por uma cardiopatia grave, tem…
Isenção de Imposto de Renda por Doença Grave

Isenção de Imposto de Renda para quem tem câncer de pele

Receber o diagnóstico de câncer de pele já é um momento difícil, que exige força, coragem e foco na recuperação.…
Direitos do Consumidor
Descubra Como Recuperar Conta do iFood Entregador Desativada Injustamente (sem depender da plataforma)
Defeitos em Carros
Câmbio Automático: problemas mais comuns resolvidos na justiça
Isenção de Imposto de Renda por Doença Grave
Retroativo de isenção de imposto de renda por doença grave
Isenção de Imposto de Renda por Doença Grave
Isenção Imposto de Renda para pessoa com HIV: como solicitar?

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

Deixe uma resposta