Skip to main content

O empréstimo consignado pode ser um grande aliado naqueles momentos em que estamos precisando de dinheiro. 

Não é tão difícil conseguir, as parcelas são mais baixas e as taxas de juros menores do que outras modalidades de empréstimo.

Porém, toda essa facilidade pode se transformar em dor de cabeça durante as contratações dos créditos consignados.

Isso porque nem sempre as instituições bancárias explicam com detalhes o tipo de contrato que está sendo feito. Em alguns casos, os bancos se aproveitam dos dados de quem fez apenas uma simulação e efetivam um contrato sem autorização.

Separamos 5 situações onde os bancos pisaram na bola e acabaram sendo obrigados a indenizar seus clientes.

1. Empréstimo consignado sem autorização
2. Não era bem um empréstimo consignado, era um cartão de crédito consignado
3. Idoso vítima de fraude deve ser indenizado
4. Desconto diretamente em conta corrente é prática abusiva
5. Banco é condenado a indenizar e recalcular a dívida

1. Empréstimo consignado sem autorização

Em 2016, o Banco Pan foi condenado pelo Tribunal de Justiça de Brasília/DF ao pagamento de 700 mil reais em indenizações.

A condenação ocorreu devido a instituição ter realizado diversas práticas contrárias ao Código de Defesa do Consumidor:

  • Contratos de empréstimo consignado realizados sem autorização do cliente.
  • Descontos em folha de pagamento de valores não contratados.
  • Criação de dificuldades para aqueles que queriam fazer o pagamento antecipado da dívida.
  • Descontos indevidos mesmo após a quitação do empréstimo e encerramento do contrato. 

As condutas do Banco foram consideradas “inadmissíveis” pelo juiz. 

Ele ainda afirmou que essas situações impedem a “reorganização das finanças” contribuindo para o “superendividamento” dos clientes.

O juiz também considerou abusivo o não envio ao consumidor de uma cópia do contrato de empréstimo consignado celebrado.

Segundo o magistrado, isso ofende o direito que o cliente tem de ter todas as informações relativas ao negócio celebrado.

2. Não era bem um crédito consignado, era um cartão de crédito consignado

Uma aposentada contratou um empréstimo consignado sendo informada que as parcelas seriam descontadas mensalmente de seu benefício.

Mas o que foi descontado, na realidade, era referente a um cartão de crédito com margem consignável.

Porém, esse cartão de crédito, que tem juros maior que os cobrados em contratos de empréstimo consignado, jamais foi contratado.

Segundo a juíza, ficou claro que a aposentada pensou ter contratado um empréstimo consignado, não um cartão de crédito.

O Banco foi condenado a pagar R$ 1.129,30 para a cliente. O valor se refere ao ressarcimento em dobro do que foi descontado indevidamente. 

Também foi determinado 3 mil reais de indenização por danos morais devido ao Banco ter induzido a aposentada ao erro.

A ação foi julgada no Juizado Especial Cível de Rio Branco do Sul, região metropolitana de Curitiba/PR.

3. Idoso vítima de fraude deve ser indenizado

Em processo julgado em São Paulo, um idoso saiu vitorioso contra uma outra instituição financeira.

A Instituição foi condenada a devolução de valores descontados indevidamente e a pagar R$ 10.000,00 a título de danos morais.

O banco condenado realizou descontos no benefício do idoso mesmo sem que ele tivesse fechado qualquer contrato de empréstimo consignado.

A operação foi considerada como fraudulenta pela juíza.

Consta no processo que o banco não conseguiu comprovar que o idoso efetivamente tenha fechado um contrato de crédito consignado.

Segundo a juíza a fraude ocorreu por culpa da instituição bancária, que “não prestou ao consumidor serviço seguro e eficaz”.

advogado4. Desconto diretamente em conta corrente é prática abusiva

A 2ª vara empresarial do Rio condenou dez instituições bancárias por práticas abusivas.

Na ocasião, os Bancos condenados descontaram as parcelas do empréstimo consignado contratado diretamente da conta corrente dos servidores do Estado.

Cada instituição foi condenada ao pagamento de 1 milhão de reais por dano moral coletivo. 

Também houve condenações por danos morais e materiais que devem ser pagas aos servidores prejudicados.

O desconto direto da conta corrente dos servidores fez com o que os pagamentos fossem realizados em dobro. O banco descontava, e o Governo do Estado descontava novamente.

Segundo o Código de Defesa do Consumidor, apenas o empregador pode descontar as parcelas no contracheque do servidor.

A decisão tem efeito para situações similares que ocorrerem em todo o Brasil.

5. Banco é condenado a indenizar e recalcular a dívida

A confusão entre crédito consignado e cartão de crédito também foi assunto de outro processo, julgado pelo Tribunal de Justiça de Goiás/GO.

O Banco BMG S/A foi obrigado a recalcular a dívida de um cliente e pagar R$ 8.000,00 por danos morais. 

O cliente celebrou um contrato acreditando ter realizado um empréstimo consignado, entretanto, foi induzido a contratar um saque de cartão de crédito.

Ele deveria pagar R$ 270,00 mensais, mas esse valor não era correspondente a parcela do empréstimo consignado. O que estava sendo descontado correspondia ao valor mínimo da fatura de um cartão de crédito, não de um empréstimo consignado.

Isso estaria fazendo o cliente pagar mais que o triplo do valor inicialmente contratado.

Para a juíza, o banco agiu de má-fé induzindo o cliente a contratar o crédito na forma mais onerosa. Essa operação fez a dívida aumentar “vertiginosamente com o passar do tempo”.

Além do empréstimo consignado, muitos clientes de bancos enfrentam problemas também com taxas e juros obscuros ou excessivos. Então, aproveite para conferir meu artigo sobre cobranças abusivas no contrato bancário e identifique se você está nessa situação!

Você teve algum problema com empréstimo consignado?

Conte com a gente para receber uma orientação rápida e especializada no assunto

Engel Advogados

Preparamos uma pequena lista com conteúdos relacionados pelos quais você pode se interessar:

Como conseguir cancelamento do Beach Park Vacation Club, sem pagar multa

Time-sharing: como cancelar o contrato sem pagar multa

golpe redução de empréstimo consignado whatsapp
Golpes Bancários

Golpe da falsa redução de empréstimo consignado no WhatsApp: como funciona e como cancelar?

Quando as contas apertam, qualquer solução que traga alívio financeiro é tentadora.  Mas, olha, tem um perigo escondido aí.  A…
defeito de fabricação em carro novo, como resolver engel advogados
Defeitos em Carros

Defeito de Fabricação em Carro Novo: Como Resolver?

Imagine a emoção de dirigir aquele carro dos sonhos, adquirido com tanto esforço e sacrifício pela primeira vez - o…
reativação da conta do Instagram
Recuperação de Contas Digitais
Conta hackeada no Instagram? Como recuperar e ser indenizado na justiça!
cancelamento timesharing orlando
Cancelamento de Timesharing
Como cancelar timeshare de Orlando no Brasil: Guia completo para se livrar dessa armadilha
fraude na portabilidade de empréstimo consignado
Golpes Bancários
Golpe da falsa portabilidade de empréstimo consignado: o que é e como se proteger
golpe da portabilidade C6 Bank
Golpes Bancários
Golpe da Portabilidade C6 Bank: 2 decisões judiciais que trouxeram o salário de volta para servidores públicos e aposentados

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão, nossos principais posts diretamente em seu email

Join the discussion 13 Comments

  • Valeria disse:

    Crueldade as varias formas usam para enganarem os idosos, otima explicacao, Aconteceu com a minha mae. O escritorio
    Engel advogados esta no comando, com a graca de Deus.

  • Lindo es disse:

    Eu tenho consignados com a caixa. E fiz renegociação. Só que agora olhando fiz as contas e tô achando muito alto .

  • Edson disse:

    Gostaria de saber como abrir um processo contra o banco aqui em Lages sc

    • Oi, Edson! Tudo bem com você?

      Muito obrigado pelo seu comentário!

      Antes de pensar em abrir um processo contra o banco, o ideal é que a gente entenda melhor o seu caso, ok? Isso é importante até mesmo para te falar se uma ação vale ou não a pena e qual a solução ideal para o seu problema. 😉

      Vou deixar pra você um link, pelo qual você pode nos contar um pouco mais sobre esse problema que está te incomodando.

      Pode ser?

      https://engeladvogados.typeform.com/to/wGmvgY

      Te esperamos do outro lado!

      Até mais!

  • ARI LEITE disse:

    Estou liquidando os débitos consignados junto ao Banco do Brasil, mas o saldo devedor continua sendo um valor altíssimo, os descontos por quitar os débitos antecipadamente, acredito que deveriam ser maiores, alegam que estão usando a tabela Price.
    Gostaria de saber se há possibilidades de pleitear um desconto maior.

    • Oi, Ari! Tudo bem com você?

      Posso te garantir que alguns bancos não respeitam os limites de juros. Mas é preciso analisar o seu caso mais de perto para saber se realmente houve abusividades e se você tem direito à devolução de valores, ok?

      Vou deixar abaixo um link onde você pode nos contar mais detalhes do seu caso e receber a orientação de um advogado especialista em consignados.

      É bem simples e rápido.

      https://engeladvogados.typeform.com/to/Xwq957

      Aguardamos você do outros lado.

      Abraços!

  • Débora Cristina disse:

    Minha mãe desde 2008 tem o cartão Bmg e até hje descontando parcela de 167,00. Qdo na época ela só tinha 3.000 de limite de compras. O limite nunca voltou e ela até hje paga isso. Queria uma orientação. Sou de São Luís ma

  • Tereza disse:

    Tenho alguns empréstimos inclusive um cartão de crédito e tem uns que não tenho certeza de ter assinado esses contratos. Sei que nunca acaba. Tem como fazer revisão para saber se está correto ou tem como saber se eu assinei esses empréstimos

  • CAIO CESAR DANTAS NASCIMENTO disse:

    esse engel se garante, avante cara. Dale nesses fdp de banco que faz fraude por ai!!!! SEM MEDO!!

Leave a Reply